domingo, 19 de outubro de 2008

Sereníssima

Um dia estarei inerte, imóvel, intocável
Numa barreira entre mim e o mundo
Esse mundo e o outro
Diante de Deus e longe dos homens
Nas nuvens, no céu
Atravessarei o portal
Transportada por coros de anjos
Embalada na música
Flutuando entre notas
Despreocupada, destemida, deszelosa
Numa barreira entre mim e o mundo
Esse mundo e o outro
Mais perto de Deus
Mais perto de mim
Sereníssima
Desde o início até o meu fim!
     
{Tanmi}
       
Viver é um ato que não premeditei. Brotei das trevas. Eu só sou válida para mim mesma. Tenho que viver aos poucos, não dá para viver tudo de uma vez. Nos braços de alguém eu morro toda. Eu me transfi­guro em energia que tem dentro dela o atômico nuclear. Sou o resultado de ter ouvido uma voz quente no pas­sado e de ter descido do trem quase antes dele parar — a pressa é inimiga da perfeição e foi assim que corri para a cidade perdendo logo a estação e a nova par­tida do trem e seu momento privilegiado que desperta espanto tão dolorido que é o apito do trem, que é adeus.
       
{Clarice Lispector}

9 comentários:

Maldito disse...

Pois é
um dia após o outro,...sempre

☆.☆vivizinha☆.☆ disse...

PUTZ...
LINDO ISSO QUE VOCÊ ESCREVEU...
ESTOU ENCATADA COM TUDO O QUE ESCREVE PARABENS!!!

VOU TE LINKAR, SE NÃO SE IMPORTAR, VOCÊ SE IMPORTA?

bjuxx

Dany disse...

E que esse dia ainda demore bastante...
;)
Bjs

Janete Andrade disse...

lembrou-me um poema um q li certa vez 'a musicalidade da morte' e falava exatamente sobre a tranquilidade, embora assustadora pra muitos, q a morte trás... falava a própria morte nos tranquiliza diante dela.

**;

Jaqueline Monteiro disse...

é, as vezes eu tenho essa visão de que a morte tras tranquilidade..

:**

neojoy disse...

lindo. de verdade.

falows moça

Camila :) disse...

Sereníssima
Desde o início até o meu fim!

ameei mesmoo parabens :>)

*Raíssa disse...

Adorei o texto! Nem sempre a morte é algo negativo, ela pode ser boa.

Beijos

Mary West disse...

Morrer é sim um momento de paz.