segunda-feira, 28 de abril de 2008

Eu te amo porque te amo,


Não precisas ser amante, e nem sempre sabes sê-lo. Eu te amo porque te amo. Amor é estado de graça e com amor não se paga. Amor é dado de graça, é semeado no vento, na cachoeira, no elipse. Amor foge a dicionários e a regulamentos vários. Eu te amo porque não amo bastante ou demais a mim. Porque amor não se troca, não se conjuga, nem se ama. Porque amor é amor a nada, feliz e forte em si mesmo. Amor é primo da morte, e da morte vencedor, por mais que o matem (e matam) a cada instante de amor.

{Carlos Drummond de Andrade}

6 comentários:

Raafy. disse...

LINDO! Parece que foi feito para mim o texto *---*' só parece ¬¬'
teu blog taa suuuper fofo
retribuindo a visita, volte sempre :}
beeeijos

Janete Andrade disse...

lindo, lindo, lindo! *-*
amo esse poema do Drummond. :}
ah e PARABÉNS pelo memê e selinho... :)

=*

Teresa disse...

eu costumo dizer que não se pode definir o amor, mas drummond conseguiu fazer isso direitinho hehehe

=*

FM disse...

E fica tudo dito numa frase...
Dexo-te Essências de Luz.

Blau disse...

MARAVILHOSO;
ele define e deixa meio vago a idéia do amor.
(:

Beijoo

Blau disse...

a todo mundo me fala isso.
"já pensou em fazer um livro?"

a,quem sabe um dia...(: